Uma família britânica foi condenada por ter escravizado e batido num homem que mantinha em cativeiro.

Um vendedor de gelados ambulante juntamente com a mulher e o filho admitiram ter escravizado durante anos um jovem com dificuldades de aprendizagem.

David Rooke, de 44 anos, foi condenado a seis anos e meio de prisão após ter confessado os crimes de escravidão, sequestro e maus tratos.

Por sua vez, o filho Jamie, de 19 anos, foi condenado a quatro anos e meio de prisão por ter repetidamente agredido fisicamente e psicologicamente Craig Kinsella. Contudo, a esposa de Rooke foi condenada a apenas quatro meses de prisão.

Além dos maus tratos físicos, Craig era alimentado com comida retirada do lixo e usava a um balde para fazer as necessidades.

O caso foi divulgado pela as câmaras de vídeovigilância da cidade de Sheffield, na Inglaterra, que de alguma forma registaram as repetidas agressões, mas foi um telefonema que relatou o sucedido às autoridades.

Ao chegar ao local, a polícia deparou-se com um homem num estado físico muito debilitado. Além do aparente estado físico, Craig tinha ainda o braço direito partido, uma costela fratura e inúmeros hematomas em todo o corpo.

Em declarações ao tribunal, o inspetor Vicky Curto admitiu não entender como algum ser humano possa ter sido capaz de um ato tão insensível e desumano.

«Acredito que se não tivéssemos recebido aquele telefonema, neste momento estaríamos a investigar um assassinato e não um caso de escrevidão», acrescentou o inspetor à Sky News.

O vídeo que se segue pode ferir a suscetibilidade de alguns visualizadores: