A Guarda Civil espanhola desencadeou uma operação contra a carne de cavalo ilegal. Os agentes identificaram oito matadouros, numa investigação que pretende desmontar um grupo organizado que compra cavalos não destinados a consumo humano para os revender. Terão sido detidas cinco pessoas, segundo noticia o El País, acusadas de crimes contra a saúde pública, falsificação de documentos e adesão a uma organização criminosa.

O alegado líder é tratador de animais. Falsifica os documentos dos animais, para que depois passem como próprios para consumo humano, depois vende-os a matadouros onde pode chegar a ganhar cerca de 100 euros por animal.

Os agentes prevêem um total de cinco detenções em Valência, Corunha e Astúrias em matadouros de Valência, Saragoça, Ávila, Toledo, Corunha e na comunidade das Astúrias. A Guarda Civil descobriu o envolvimento de um veterinário em Valência que supostamente sabia da organização e tinha assinado alguns dos documentos falsificados.

Uma das questões que ainda se encontra por apurar nesta investigação é de que se a carne de cavalo que foi vendida poderá ser prejudicial à saúde. Fontes judiciais salientam que milhares de quilos de carne foram distribuídos e comercializados sem os exames de saúde necessários, porque os cavalos não tinha a documentação necessária.

A operação lançada pela Espanha é uma continuação de uma rede semelhante desmantelada no ano passado no sul de França.