A comandante Sarah West, que ficou conhecida por se tornar na primeira mulher à frente de um navio de guerra da Royal Navy, foi suspensa por se ter envolvido sexualmente a bordo com um oficial.

A comandante e o tenente Richard Gray foram acusados manter relações sexuais no vaso de guerra HMS Portland, prática incompatível com o código da marinha britânica.

O caso tornou-se conhecido na fragata, em que Sarah e uma tripulação de quase 200 cumpriam uma missão de sete meses de manobras e exploração em alto-mar. O vaso de guerra de 133 metros estava estacionado nas Caraíbas quando o escândalo rebentou e a comandante foi suspensa de imediato, tendo sido obrigada a regressar à base de avião.

Sarah West, de 42 anos, está divorciada desde 2006, mas Richard Gray estava casado desde dezembro de 2013.

A revelação agora feita de que ela mantinha uma relação com um subordinado pode estragar-lhe a carreira. No mínimo, explica o antigo chefe da Marinha real numa entrevista ao «Daily Mail», é improvável que voltem a entregar-lhe o comando de um vaso de guerra de igual importância.

Depois da nomeação histórica como a primeira comandante do sexo feminino, West explicou que o trabalho e as longas ausências de casa contribuíram para o fim do casamento com o piloto Andrew Whitlum, de quem se divorciou em 2006, sem filhos.