Um tribunal egípcio anulou uma decisão anterior que proibia membros do regime do presidente deposto Hosni Mubarak de concorrer às próximas eleições legislativas, disse uma fonte judicial citada pela Lusa.

Antigos membros do Partido Democrático Nacional (NDP, sigla em inglês), extinto em 2011, pouco depois de Mubarak ter sido derrubado do poder pela revolta popular, poderão concorrer às próximas eleições, previstas no outono.

O tribunal de recurso divulgou a decisão sem apresentar a justificação para rever a posição de maio, mas um outro tribunal considerou, no passado, este tipo de proibições inconstitucional.

O NDP dominou sempre as legislativas durante as três décadas do regime de Mubarak, muitas vezes de forma fraudulenta.

Um outro tribunal proibiu também os membros da Irmandade Muçulmana, movimento do presidente deposto Mohamed Morsi atualmente ilegalizado, de se candidatarem a eleições.

A Irmandade Muçulmana foi considerada um «grupo terrorista» desde que os militares derrubaram Morsi, o primeiro presidente eleito do Egito, em julho do ano passado.