Um total de 529 simpatizantes do antigo presidente egípcio Mohamed Morsi, deposto pelo exército no verão passado, foram condenados à morte esta segunda-feira por instigar a violência, mas a maioria encontra-se em parte incerta.

A condenação foi anunciada pelo Tribunal Penal de Minia, no Cairo, adiantando que apenas 153 dos condenados estão detidos.

Os restantes apoiantes da Irmandade Muçulmana e do presidente deposto estão em fuga, acrescentaram fontes judiciais, admitindo que os condenados ainda podem pedir recurso da sentença.