Cabo Verde interditou, por um período de três meses, o acesso ao país de cidadãos estrangeiros provenientes dos países da África Ocidental afetados pelo vírus do Ébola, nomeadamente Serra Leoa, Libéria, Guiné Conacri e Nigéria.

O anúncio foi feito esta terça-feira pelo primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, após uma reunião de emergência com vários ministros do executivo, adiantando que a medida será aplicada «independentemente da rota que a pessoa utilizar».

«Todas as fronteiras cabo-verdianas permanecerão abertas. Todos os cidadãos provenientes dos países afetados têm interdição de acesso a Cabo Verde, independentemente da rota que utilizarem», reforçou José Maria Neves, indicando que, após os três meses, a situação será reavaliada, para se introduzir «medidas corretivas», em função da evolução da epidemia na sub-região.

Libéria impõe recolher obrigatório

O governo da Libéria impôs um toque de recolher para evitar a propagação do vírus Ébola, avança a rádio estatal, citada pela Reuters.

A partir das 21 horas todos os cidadãos da Libéria terão de estar recolhidos em suas casas.

O vírus Ébola já matou 1.300 pessoas na Libéria, Serra Leoa e Guiné e também afetou Nigéria.