Notícia atualizada às 10:46

Pelo menos 20 pessoas morreram e 160 ficaram feridas num descarrilamento ocorrido no metro de Moscovo, informa a agência de notícias ITAR-TASS.

O incidente ocorreu na linha azul do metro de Moscovo, pelas 08:30 (05:30 em Lisboa), entre as estações de Slavyansky Bulvar e Park Pobedy.

Pelo menos 95 dos feridos foram transportados para o hospital, sendo que 50 estão em estado grave.

Um dos passageiros contou, à saída, que esperou «mais de uma hora no túnel» até começar a evacuação.

«O metro travou bruscamente. As luzes apagaram-se e havia muito fumo. Ficámos presos e só conseguimos sair por milagre. Muitas pessoas ficaram feridas, principalmente na primeira carruagem», contou outro passageiro à Rossiya-24.

Cerca de 60 ambulâncias estão na estação de Slavianski Boulevard, mais próxima do lugar onde ocorreu o descarrilamento, e a partir da qual foram retiradas mais de 350 pessoas.

De acordo com o Ministério para as Situações de Emergência russo, o acidente deveu-se a uma abrupta queda de energia, que provocou um erro no sistema de sinalização e uma paragem súbita do comboio.

O ministro russo para as Situações de Emergência, Vladimir Puchkov, garantiu que foi descartada a hipótese de atentado terrorista.

Uma fonte policial assegurou à ITAR-TASS que não houve qualquer explosão. «O acidente resultou de um erro humano», explicou.

As autoridades organizaram um serviço de autocarros para transportar os passageiros entre as estações afetadas pelo acidente.

Os passageiros retirados estão a colocar fotografias do acidente nas redes sociais:













Foi decretado um dia de luto nacional para esta quarta-feira.

O acidente desta terça-feira é o mais grave registado no metro de Moscovo nos últimos anos. A 5 de junho de 2012, um incêndio entre as estações centrais de Biblioteca Lenin e Ojotnyi Riad obrigou a retirar mais de 4.500 passageiros.