A CNN vai acabar com o talk-show de horário nobre do jornalista Piers Morgan. A estação norte-americana confirmou à Reuters que o presidente Jeffrey Zucker tomou a decisão depois de uma conversa com o apresentador.

O jornalista britânico ainda não comentou a decisão. Numa entrevista publicada no domingo no «The New York Times», Morgan assumia que não conseguia relacionar-se com a audiência americana.

A dificuldade de identificação dos americanos com o jornalista pode estar na causa das más audiências do programa. Ao longo dos três anos na CNN, Piers Morgan foi alvo de críticas e gerou controvérsia. «Sou um britânico que debate os assuntos culturais americanos, incluindo armas. Não há dúvida de que há muitas pessoas fartas de mim», disse Morgan ao «The New York Times». Chegou a circular uma petição com o objectivo de deportar o jornalista pelos comentários feitos em direto sobre questões dos EUA.

O jornalista de 48 anos começou a trabalhar na CNN para substituir o apresentador Larry King, em 2011. Foi diretor do Daily Mirror e chegou a ser interrogado pela polícia na investigação às escutas no grupo de imprensa do jornal. Morgan foi afastado do diário britânico em 2004 depois de terem sido publicadas fotografias falsas de soldados britânicos.

A data do fim do talk-show ainda não está definida e não há indicação da continuidade de Morgan na estação.