A empresa norte-americana Abbott iniciou esta terça-feira a retirada de duas remessas de leite em pó na China, perante a possibilidade de contaminação com a bactéria que pode causar botulismo e ser fatal para os humanos, noticia a Efe.

A Abbott junta-se assim ao escândalo que envolve a neozelandesa Fonterra, depois de esta ter anunciado que vendeu a oito clientes - cujos nomes não foram revelados - o concentrado da proteína de soro de leite suspeito de estar contaminado.

Em comunicado, a Abbott confirmou que os produtos não foram produzidos com materiais contaminados da Fonterra, mas embalados em linhas de produção da empresa neozelandesa, indicou hoje a agência chinesa Xinhua.

Entretanto, o governo da Nova Zelândia enviou agentes às unidades de produção do gigante de produtos lácteos Fonterra, para gerir a crise no grupo, após a descoberta em vários lotes de bactérias que podem causar botulismo, noticia a AFP.

O envolvimento do estado numa crise privada é raro, reconheceu o ministro do Desenvolvimento Económico, Stephen Joyce, mas é necessária para o restabelecimento da confiança dos consumidores em todo o mundo nos produtos lácteos neozelandeses, que respondem por um quarto das exportações do país.

Questionado hoje pela Rádio Nova Zelândia, o ministro disse que as informações fornecidas pela Fonterra no início do caso ¿ vindo a público no fim de semana, mas relacionado com a contaminação de maio de 2012 ¿ provaram ser falsas, resultando na emissão de recomendações contraditórias.