O avião da Air Algérie que caiu na semana passada, no Mali, e que tirou a vida a 118 pessoas, mergulhou nove mil metros em três minutos até cair no deserto, depois de ter sido atingido por uma violenta tempestade, acreditam os investigadores.



Segundo os primeiros indícios da investigação, a tripulação inexperiente, com apenas um mês de voo na rota que atravessa o Sahara, pode também ter tido alguma influência no acidente. Ainda assim, os investigadores alertam para o facto de ainda não terem sido excluídos outros causas para a queda, como falhas mecânicas.



Excluídas para já estão, em princípio, as hipóteses de que o avião tenha sido vítima de um atentado terrorista ou de um míssil.

O chefe das Forças Armadas do Burkina Faso, o general Gilbert Diendéré, disse que o piloto terá tentado contornar a tempestade, mas que regressou à rota inicial demasiado cedo. «Foi enquanto estava a efetuar a manobra que o acidente aconteceu», disse.

Os primeiros dados de radar sugerem que o avião mergulhou numa queda abrupta de nove mil metros em apenas três minutos e que o aparelho atingiu o chão quase intacto, sugerindo que não terá sofrido nenhuma explosão no ar.