Uma menina de 16 anos foi enterrada viva por familiares, que se mostravam contra o relacionamento da jovem com rapazes, na província de Adiyaman, na Turquia, informa a «Globo».

A adolescente foi dada como desaparecida durante 40 dias, tendo o corpo sido encontrado em Dezembro, através de uma denúncia anónima.

De acordo com os médicos legistas, a autópsia não revelou qualquer sinal de envenenamento ou violência, facto que levou à conclusão de que a vítima foi enterrada consciente, apresentando grandes quantidades de terra no estômago e pulmões.

O pai e o avô da menina encontram-se ambos em prisão preventiva, acusados de homicídio. O pai alegou que a família se sentia «infeliz» por a filha ter rapazes como amigos, indiciando, assim, um crime de honra.

Este tipo de crimes são vulgares em regiões mais atrasadas da Turquia, quando a família decide que um dos seus membros violou as regras tradicionas de «honra». Pelos cálculos de várias Organizações Não Governamentais, estima-se que anualmente se pratiquem cerca de 300 crimes de honra na Turquia.