Foram escutados tiros e uma explosão junto ao palácio Dolmabahce no centro de Istambul, Turquia, nesta quarta-feira, não havendo registo de feridos ou vítimas mortais, avança a agência Reuters. O atentado foi perpetrado por dois membros de um grupo terrorista, que já foram detidos pelas autoridades.
 
Os dois responsáveis abriram fogo sobre os guardas que se encontravam à porta do edifício.

A polícia selou as ruas adjacentes ao palácio otomano, uma das principais atrações turísticas da cidade e que acolhe os gabinetes do Governo. Para o local foram enviadas ambulâncias.

 
O governo turco já veio a público esclarecer que o ataque foi perpetrado por dois mebros de "um grupo terorrista", armados com granadas e com armas automáticas. Os homens foram detidos pela polícia depois do atentado,  nas proximidades do palácio, quando fugiam na direção do consulado alemão .

Segundo a Reuters, a responsabilidade do ataque não foi reclamada por nenhum grupo até ao momento.

O palácio já tinha sido alvo dos militantes da esquerda turca no passado.

O atentado surge depois do primeiro-ministro, 
Ahmet Davutoğlu, ter declarado "uma guerra sincronizada ao terror", em julho, contra os simpatizantes do Estado Islâmico, membros da esquerda radical turca e militantes curdos.

O tiroteio teve lugar quando o primeiro-ministro discursava, em direto, na televisão. Contudo, Ahmet Davutoğlu não interrompeu o discurso por causa do incidente.