Turquia, domingo, perto da fronteira com a Síria: dois operacionais suicidas fizeram-se explodir. Num dos casos, arrastou para a morte três polícias, feriu cinco outros e ainda quatro civis. Num outro ponto da cidade, o atentado não causou vítimas, além do autor da explosão.

O governador da província da cidade de Gaziantep, Ali Yerlikaya, confirmou ambas as situações. No caso mais mortal, a polícia levou a cabo um raide para capturar um grupo de militantes do intitulado Estado Islâmico. Cercaram a casa e vendo-se encurralado, um homem fez-se detonar. Três polícias morreram, cinco outros ficaram feridos, bem como quatro civis.

Atentado em planeamento

Hora depois, a polícia turca procurou um outro suspeito de organizar atividades terroristas na província de Gaziantep. Igualmente acossado e quando estava em vias de ser neutralizado, fez-se explodir sem causar outras baixas, mas destruindo toda a fachada do apartamento onde se encontrava.

O governador da província turca identificou este segundo ativista como sendo Mehmet Kadir Cebael. Seria o cérebro por detrás de um plano de ataque a uma associação cultural de muçulmanos Alevi, um ramo considerado herege pelos radicais islâmicos do Daesh.