O presidente turco, Tayyip Erdogan, defendeu, esta terça-feira, que a Turquia devia colocar a hipótese de retirar a cidadania a apoiantes do terrorismo, noticia a Reuters.  

Uma declaração feita perante um grupo de advogados de Ancara, um dia depois de ter rejeitado retomar as conversações de paz com os curdos do PKK.

O governo turco já foi ao ponto de comparar o PKK com o Estado Islâmico.

Os curdos do Partido Trabalhista reclamam há décadas a independência da Turquia. Ao longo dos anos, os confrontos entre as duas fações já provocaram um grande número de mortos, muitos deles civis.

Em meados de março, um ataque suicida de um grupo radical afeto ao PKK fez mais de três dezenas de mortos em Ancara. Por seu turno, no verão do ano passado, o exército turco matou 700 rebeldes curdos em apenas um mês, resultado de vários ataques feitos pela aviação turca.