Atualizado às 14:26

Os confrontos entre as autoridades e manifestantes em Istambul, Turquia, provocaram, pelo menos, 58 feridos e a detenção de 139 pessoas que tentavam chegar à praça Taksim, que tem sido palco de manifestações contra o Governo.

«Segundo as informações que possuímos, até agora foram detidas 139 pessoas em Istambul, mas temo que esse número venha a aumentar», disse Mehmet Soganci, presidente do sindicato TMMOB, que representa os engenheiros e arquitetos e que foi uma das quatro grandes organizações responsáveis pela marcha de hoje, Dia do Trabalhador.

Em declarações à agência de notícias EFE, Soganci disse estar ainda a recolher dados nos hospitais sobre o número de feridos, estimando que o número possa atingir uma centena.

Canhões de água

Recorde-se que a polícia turca usou canhões de água e gás lacrimogéneo para dispersar milhares de manifestantes que esta quinta-feira desafiaram a proibição de se manifestar no Dia do Trabalhador, concentrando-se na Praça Taksim.

Cerca de 40 mil policiais, assim como dezenas de canhões de água e veículos blindados, foram mobilizados para o dia de hoje, sendo que quase metade deste arsenal foi enviado para o centro para isolar avenidas, ruas e becos mais próximos da Praça Taksim que, nos últimos meses, tem sido palco de protestos contra o Governo.