Um polícia e um funcionário do tribunal de Izmir são dados como vítimas mortais da explosão ocorrida na tarde de quinta-feira junto do tribunal da terceira maior cidade turca, com cerca de dois milhões de habitantes.

A explosão terá sido provocada por um carro armadilhado, que rebentou junto ao tribunal da cidade, localizada no oeste da Turquia.

Após a explosão, ambulâncias e polícias acorreram ao local, tendo-se registado uma troca de tiros.

Dois presumíveis responsáveis pelo ataque foram abatidos pela polícia, durante o tiroteio, segundo afirmou o governador distrital, Hasan Karadag, em declarações à cadeia televisiva NTV.

O tiroteio registado após a explosão está também a ser divulgado através do canal Twitter na internet.

A explosão terá ocorrido junto da entrada do tribunal usada por juízes e procuradores.

Relatos das agências noticiosas internacionais dão conta de que a polícia procura ainda um terceiro suspeito pelo atentado.

Detenções de uigures em Izmir

Várias detenções foram feitas pela polícia turca na cidade de Izmir, relacionadas com o atentado ocorrido na noite de passagem de ano em Istambul, numa discoteca. Morreram, pelo menos, 39 pessoas, num ataque reivindicado pelo Daesh, o autointitulado Estado Islâmico. 

De acordo com os relatos da agência noticiosa turca Anadolu, vários desses detidos são uigures, uma minoria étnica de nómadas originários da Turquia que se deslocalizaram ao longo dos séculos para a Mongólia e Noroeste da China, onde mantêm um diferendo com o poder central de Pequim.

O principal suspeito do tiroteio na discoteca em Istambul será também um uigure, povo que professa maioritariamente a religião muçulmana.