O Presidente turco, Recep Erdogan, garantiu, esta quinta-feira, que a Rússia não vai ter um pedido de desculpas, por causa do avião militar russo que foi abatido pelas autoridades turcas. Moscovo responde com um corte nas relações económicas com o país.
 

“Penso que se há algum lado que deve pedir desculpas não somos nós. Aqueles que violaram o nosso espaço aéreo é que deveriam pedir desculpas". 


"Os nossos pilotos e forças armadas simplesmente cumpriram o seu dever, que consistia em responder a violações das regras. Penso que esta é a essência”, afirmou o Presidente turco, numa entrevista exclusiva à CNN.


As tensões têm aumentado entre os dois países, com cada um a acusar o outro de apoiar o Estado Islâmico. A Turquia afirma que a Rússia não está a contar toda a verdade sobre o incidente e Moscovo já garantiu, depois do ataque, que vai enviar aviões antimísseis, para a Síria.

Segundo a CNN, o Ministro da Defesa, Sergey Shoygu, disse que a Rússia  vai instalar mísseis s-400, com a capacidade de atingir alvos até 250 quilómetros, na base militar de Latakia, na Síria. A fronteira turca fica a menos de 45 quilómetros.

Sergey Shoygu declarou ainda que o abate do avião russo “pareceu-se muito com uma provocação palneada”.


A Turquia afirma que o ataque foi provocado pela intromissão da nave russa no espaço aéreo turco e que a Rússia foi alertada antes do avião ser abatido. As autoridades divulgaram ainda uma gravação dos minutos antes do ataque, em que, alegadamente, alertam os pilotos russos para se dirigirem “para sul”.

Um dos pilotos que sobreviveu ao ataque garantiu que não recebeu qualquer aviso.

Entretanto, o Ministro da Defesa russo afirmou, esta quinta-feira, que todos os canais de cooperação com as forças militares turcas vão ser suspensos, incluindo a linha de partilha de informações sobre os ataques aéreos russos, na Síria. De acordo com a Reuters, Sergey Shoygu disse ainda que está à espera de uma explicação razoável para o ataque, por parte da Turquia, e que o país pode esperar uma retaliação económica.

Para além da tensão bélica entre os dois países, a Rússia veio a público divulgar medidas que podem abalar as relações económicas com a Turquia. O Ministro da Agricultura russo, Alexander Tkachev, afirmou que toda a comida e todas as importações de origem turca vão ter de passar por “fiscalizações adicionais”, devido a “repetidas violações dos padrões de qualidade russos, por parte dos produtores turcos”.

Alexander Tkachev disse ainda que 15% dos produtos que provêm da Turquia não são seguros e que está preocupado com a qualidade da roupa das crianças, dos produtos de limpeza e da mobília, importados da Turquia.

Algumas companhias de viagens russas também já avisaram que vão reduzir o número de travessias para a Turquia, que é um dos destinos preferidos dos russos.