O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse esta terça-feira que a União Europeia não está a cumprir o acordo assinado em março com Ancara sobre refugiados.

Ancara e Bruxelas assinaram um acordo ao abrigo do qual a Turquia aceitou receber migrantes ilegais que chegam às ilhas gregas a partir de território turco.

Em troca da cooperação de Ancara, os líderes da União Europeia (UE) concordaram em acelerar a liberalização dos vistos para os visitantes turcos, relançar as negociações de adesão e ainda duplicar para um total de seis mil milhões de euros a ajuda que será concedida à Turquia até 2018 e que se destina a melhorar as condições de vida dos 2,7 milhões de sírios refugiados no país.

No entanto, segundo Erdogan, a Turquia só recebeu até agora menos de dois milhões de euros e acusa a UE de falta de honestidade: 

Os governos [europeus] não estão a ser honestos", disse Erdogan à televisão pública alemã ARD.

O presidente turco refere que chegaram ao país três milhões de refugiados e que a UE não está a cumprir com o acordo:

Três milhões de sírios, ou pessoas do Iraque, estão agora na Turquia. (...) A União Europeia não cumpriu aquilo que prometeu nesta matéria", afirmou.

De acordo com o presidente turco, os gastos da Turquia em ajuda a refugiados sírios ultrapassam os 12 mil milhões de euros.

As acusações de Erdogan surgem um dia após o presidente da União Europeia ter prometido interromper de imediato as negociações com a Turquia, caso o país volte a reintroduzir a pena de morte. Jean-Claude Juncker mostrou-se inflexível, alegando que "um país que pratique pena de morte não tem lugar na UE".