Três ataques à bomba no maior aeroporto de Istambul, Turquia, o aeroporto Ataturk, provocaram pelo menos 36 mortos, confirmou o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim. Haverá mais de 140 feridos. O número de vítimas mortais ainda poderá aumentar. De resto, a agência Associated Press, que cita um oficial turco, avança que haverá cerca de 50 mortos.

As autoridades turcas informaram que três bombistas suicidas fizeram-se explodir no aeroporto: dois à entrada do terminal internacional do aeroporto, antes de passarem nos testes de segurança do aeroporto, nomeadamente o do raio-X, e um terceiro junto à entrada do metro.

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, afirmou que os três bombistas chegaram ao aeroporto de táxi, armados, começaram a disparar e depois fizeram-se explodir.

O governante acrescentou que tudo aponta para um atentado do Estado Islâmico - uma informação que já tinha sido avançada pela agência de notícias turca Dogan e pela Associated Press, que citavam oficiais turcos.

O ministro da Justiça, Bekir Bozdag, já tinha informado, em declarações à Associated Press, que pelo menos um dos atacantes tinha disparado com uma arma Kalashnikov. Sabe-se agora que os três bombistas abriram fogo no aeroporto.

De acordo com a informação que me foi dada, um terrorista, à entrada do terminal internacional, abriu fogo com uma Kalashnikov e depois fez-se explodir", disse Bekir Bozdag.

Fontes da polícia citadas pela Reuters informaram que as autoridades efetuaram disparos para neutralizar os suspeitos, que acabaram por se fazer explodir. Antes, uma testemunha no local tinha afirmado à CNN da Turquia que houve um tiroteio no parque de estacionamento do aeroporto.

Imagens partilhadas nas redes sociais mostram os momentos vividos no aeroporto.

 

 

 

Após o ataque, o aeroporto foi encerrado e os voos foram suspensos, como informou fonte oficial à agência Reuters. 

O aeroporto Ataturk, que realiza centenas de voos por dia, é o maior aeroporto internacional de Istambul e um dos mais movimentados do mundo. O espaço foi reaberto parcialmente ao final de algumas horas, embora a zona das chegadas internacionais permanece encerrada. 

 

 

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, já condenou o ataque que ocorre numa altura em que os muçulmanos assinalam o Ramadão. Erdogan sublinhou, em comunicado, que o ataque "mostra que o terrorismo acontece sem olhar à fé e aos valores" e exigiu uma resposta clara da comunidade internacional contra os grupos terroristas.

A Turquia tem sido alvo de vários atentados nos últimos tempos, ora reivindicados pelo Estado Islâmico, ora pelos militantes curdos do PKK.

VEJA TAMBÉM: O que se sabe sobre o atentado