Um tribunal de Istambul condenou hoje dois jornalistas turcos a dois anos de prisão por ilustrarem as suas colunas com uma caricatura do profeta Maomé publicada pelo semanário satírico francês Charlie Hebdo.

A decisão judicial, dirigida a dois colunistas do diário da oposição Cumhuriyet, intensificou as apreensões sobre a liberdade de imprensa na Turquia, na prática liderada pelo Presidente Recep Tayyip Erdogan que tornou o islão num vetor decisivo da sua política.

“Os dois jornalistas foram condenados individualmente a dois anos de prisão”, revelou Bulent Utku, advogado de Hikmet Cetinkaya e Ceyda Karan.