Perto de 300 pessoas manifestaram-se esta quinta-feira em Tunes contra o ato «aterrorizante» de um tunisino que queimou viva a filha de 13 anos no fim de maio por ter ido para a escola com um rapaz.

«Não à violência contra as mulheres e as crianças», «ninguém está protegido», «Eya foi vítima do extremismo e do fanatismo», são algumas das mensagens que se podem ler nos cartazes dos manifestantes.

«É um crime odioso e aterrorizante, esta manifestação é um grito de angústia. Eu temo verdadeiramente pelo futuro das nossas crianças», afirmou à AFP Radhia Ammar, uma das participantes da «marcha silenciosa pela Eya».