Sexta-feira, 26 de junho. Um dia que ficará certamente na História pelas consequências da fúria dos jihadistas, com mais três ataques terroristas: um em França, outro na Tunísia, um terceiro no Kowait. Dezenas de mortos, centenas de feridos. Tudo no espaço de poucas horas. E a três dias do aniversário do Estado Islâmico, na próxima segunda-feira. 

Uma coincidência temporal, mais uma mostra de força, em três continentes: Europa, África e Ásia. No entanto, a maior potência do mundo, os Estados Unidos da América, diz que não há "evidência" de que os ataques tenham estado coordenados, cita a Reuters.

Mal começou, 2015 arrancou com mais do que uma ameaça: o atentado ao Charlie Hebdo, a um supermercado e a uma fábrica em França. Meio ano depois, os terroristas têm levado a cabo vários ataques.

Os três que agora aconteceram incluíram uma decapitação, dezenas de mortos e feridos. Civis. Um banho de sangue que está a fazer elevar o alerta contra o terrorismo para níveis máximos


Tunísia 


                                Dois hotéis alvo de ataque terrorista na Tunísia [EPA]


Pelo menos 37 pessoas morreram, a maior parte turistas europeus, e 36 ficaram feridas, na sequência de um ataque a dois hotéis na zona turística de Sousse, no sul do país. 

O atentado foi  reivindicado pelo Estado Islâmico.

O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, disse esta tarde à TVI24 que  "é imprevisível" saber se há portugueses entre as vítimas. 
 

França


                            Ataque à fábrica Air Products em França [EPA]


Um homem, com cerca de 50 anos, morreu decapitado, numa fábrica perto de Lyon, num ataque que o presidente François Hollande já classificou como terrorista. A vítima era chefe do suspeito, entretanto detido.

Chama-se  Yassin Sahli, tido como um “muçulmano normal”, ma que pode ter um passado radical. Todas as pistas estão ainda em aberto.
  
O ataque começou com várias explosões e fez pelo menos mais dois feridos. A cabeça da vítima foi encontrada nos portões da fábrica americana Air Products, em Saint-Quentin-Fallavier, no leste de França. Estava rodeada por duas bandeiras islâmicas.
 

Kowait


                            Ataque suicida em mesquita no Kuwait [Agências]

Pelo menos 27 pessoas morreram num ataque a uma mesquita xiita, com mais de duas mil pessoas no interior. O atentado foi já reivindicado pelo Estado Islâmico num post divulgado nas redes sociais.  

Os feridos ultrapassam as duas centenas.