O primeiro-ministro da Tunísia identificou os suspeitos do ataque de ontem ao museu Bardo, em Tunes, na Tunísia, que causou a morte a pelo menos 23 pessoas, muitas das quais turistas (segundo a atualização feita já esta quinta-feira de manhã pelo ministro da Saúde tunisino). Em entrevista à rádio RTL, Habib Essid disse que se chamavam Yassine Labidi e Saber Khachnaouie e que um deles estava identificado pelos serviços de segurança.

O primeiro-ministro tunisino adiantou ainda que não é claro a que organização terrorista pertencerão. O ministro do Interior disse nesta quinta-feira na rádio nacional que os atacantes eram islamitas. O ataque surge dias depois de um jihadista tunisino ter partilhado no Twitter uma mensagem de apoio a Abu Bakr al-Baghdadi, o líder do Estado Islâmico, indica o SITE, uma organização que monitoriza as ações de propaganda grupos terroristas na Internet.

 Habib Essid informou ontem que a polícia está à procura de três outros cúmplices  dos dois homens abatidos que perpetraram o ataque contra o Museu Nacional do Bardo. O porta-voz do ministério do Interior afirma que os responsáveis pelo ataque serão «provavelmente» tunisinos

Quatro italianos, um francês, dois colombianos, cinco japoneses, um polaco, um australiano e um espanhol (O Governo de Madrid confirmou dois) morreram no ataque, faltando identificar a nacionalidade de outras duas vítimas, explicou o chefe do executivo de Tunes. Dois tunisinos também morreram no ataque. De acordo com o Ministério do Interior, o ataque provocou também 42 feridos.

Leia também: 

Tunísia: pai vê mulher e filho morrerem às mãos dos terroristas