Sobreviventes do terramoto de outubro nas Filipinas abandonaram, hoje, os seus abrigos temporários integrando as deslocações em massa no país, devido à aproximação do super tufão «Haiyan» com ventos de cerca de 330 quilómetros por hora.

As autoridades do país estão receosas com a força da tempestade que deverá atingir a costa na sexta-feira, influenciando o estado do tempo no centro e no sul das Filipinas, áreas ainda em recuperação do sismo de outubro que atingiu uma magnitude de 7,1.

«Esta tempestade é muito perigosa, as autoridades locais sabem disso e estão a deslocar as pessoas, a dar indicações para que possam estar em maior segurança», explicou Glaiza Escullar, dos serviços de meteorologia locais, em declarações à agência AFP.

Por outro lado, acrescentou a mesma fonte, «a zona de impacto, em terra, não tem montanhas que desviem a tempestade ou a força do seu impacto, o que a torna ainda mais perigosa».

Segundo as autoridades do centro de alerta de tufões da marinha norte-americana, os ventos médios deverão rondar os 278 km/h, mas haverá rajadas com 330 km/h.

Desde o tufão «Bopha» em 2012, que as Filipinas não eram atingidas por uma tempestade tão forte. Na altura, o «Bopha» vitimou mortalmente mais de mil pessoas.