Um sismo de 8,3 abalou o Chile, esta quarta-feira, às 19:54 (hora local - 23:54 em Lisboa), noticia a Agência de Geologia dos Estados Unidos (USGS). A marinha chilena lançou imediatamente um alerta de ‘tsunami’ para a costa e ilhas do Pacífico. 

Inicialmente, a magnitude do sismo foi calculada em 7,9, tendo sido depois revista para 8,3. O epicentro do sismo aconteceu no mar perto da costa chilena, a 232 quilómetros a nordeste de Santiago, a uma profundidade de 33 quilómetros. O abalo foi sentido por vários minutos na capital - onde residem cinco milhões de habitantes - e seguido de réplicas de 6.4 e 6.2.
 
Segundo testemunhas, os prédios da capital foram violentamente abanados e soou de imediato o alarme de tsunami. No entanto, até ao momento, as autoridades chilenas não relataram a existência de vítimas ou estragos materiais avultados.

Cerca de duas horas depois do abalo, o presidente da câmara da cidade de Coquimbo confirmou à CNN Chile que as ondas atingiram a cidade.
 

O Ministério do Interior do Chile pediu a toda a população que se encontre na zona costeira que se retire para zonas seguras uma vez que são esperadas ondas de mais de três metros ao longo de toda a costa do Chile. As ondas podem ainda atingir o Peru e o Equador.

O sismo foi também sentido na capital argentina. A intensidade do abalo levou a que fosse sentido a pelo menos 1.400 quilómetros de distância, em Buenos Aires.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).