Uma investigação foi iniciada em Inglaterra, depois de um juiz ter sido acusado de adormecer em tribunal, durante um caso de violação e abuso sexual de menores. O processo de averiguação das queixas foi confirmado pelo Departamento de Investigação de Conduta Judicial, escreve o «The Guardian».

Segundo as acusações, o juiz Philip Cattan adormeceu, num tribunal de Manchester, enquanto uma das jovens vítimas de abusos sexuais apresentava provas por vídeo conferência.

O réu era John Quigley, de 49 anos, acusado de ter violado e abusado sexualmente de 10 crianças, incluindo uma criança com menos de 13 anos.

Segundo o porta-voz do Departamento de Justiça britânico, as audiências vão ser remarcadas e o juiz já foi afastado do caso.

«O julgamento vai ser remarcado logo que seja possível. Os queixosos e as testemunhas vão ser informadas», declarou.

Philip Cattan é um juiz bastante conhecido em Manchester e já presidiu vários julgamentos de maior exposição mediática como, por exemplo, um dos julgamentos relacionados com os distúrbios de Oldham, em 2001.