O republicano Trent Franks demitiu-se abruptamente na sexta-feira do Congresso dos Estados Unidos, depois de o Comité de Ética da Câmara dos Representantes ter aberto uma investigação na sequência de acusações de comportamentos sexuais inadequados.

O deputado, de 60 anos, eleito pelo estado do Arizona anunciou na sexta-feira a sua demissão com efeitos imediatos, por ser “a melhor decisão” para a sua família após a sua mulher ter sido hospitalizada em Washington devido a “um mal-estar contínuo”, isto depois de na véspera ter declarado que iria renunciar a cargo mas apenas a partir de 31 de janeiro.

Num primeiro comunicado, divulgado na quinta-feira, Trent Franks reconheceu que deixou duas antigas funcionárias numa situação desconfortável ao ter discutido com elas a possibilidade de serem barrigas de aluguer, mas garantiu “nunca ter intimidado fisicamente, coagido ou tentado ter qualquer tipo de contacto sexual” com nenhuma funcionária do Congresso.

Segundo o portal especializado Politico, Trent Franks perguntou-lhes se queriam tornar-se barrigas de aluguer para que ele e a sua mulher pudessem ter um filho, depois de lhes ter contado os problemas de fertilidade da sua esposa. Contudo, as funcionárias estariam preocupadas com a possibilidade lhes pedir para ter sexo.

No entanto, não é claro se o deputado republicano estaria a pedir-lhes que engravidassem através de relações sexuais ou da técnica de fertilização in vitro.

Os jornais Washington Post e New York Times e a agência de notícias norte-americana Associated Press referem mesmo uma proposta de cinco milhões de dólares que o deputado terá feito a uma das assessoras para que aceitasse ser barriga de aluguer.

O presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Paul Ryan, foi notificado em 29 de novembro das acusações que considerou serem “credíveis”, tendo aconselhado Trent Franks a apresentar a sua demissão, de acordo com o seu gabinete.