Chegou esta quarta-feira a Lisboa a traineira "Marianne", que vai fazer parte da autodenominada 3ª Flotilha da Liberdade, que tentará romper o bloqueio israelita à Faixa de Gaza.

A embarcação traz a bordo cerca de uma dezena de ativistas que lutam contra o encerramento das fronteiras daquele território palestiniano, decretado por Israel em 2007 quando o Hamas tomou ali o poder. Entre esses ativistas, estão uma deputada espanhola no Parlamento Europeu e deputados nacionais da Dinamarca e da Noruega. A viagem é uma iniciativa da organização sueca e norueguesa "Ship to Gaza".

Nas duas semanas em que a "Marianne" estará acostada na marina do Parque das Nações, os tripulantes irão realizar várias iniciativas culturais, entre as quais está a exibição de um documentário sobre o "Mavi Marmara", um navio turco que foi tomado de assalto por forças especiais israelitas durante a primeira tentativa de rompimento do bloqueio a Gaza, em 2010. Desse ataque resultou a morte de nove tripulantes da embarcação e uma crise diplomática entre Israel e a Turquia.

Uma 2ª Flotilha da Liberdade, em 2011, teve muito menos impacto público, por ter sido impedida de navegar logo após a saída do porto. A terceira flotilha, de que a traineira "Marianne" faz parte, tentará chegar a Gaza na última semana de junho, juntamente com navios da Grécia, Itália, Canadá, África do Sul, Espanha e Turquia, mas é quase certo que não terá sucesso.O governo de Israel já qualificou a iniciativa como "uma provocação desnecessária" e avisou que não tolerará a entrada das embarcações nas águas sob o seu controlo.