O líder dos nacionalistas galegos, Anxo Quintana, assegurou esta sexta-feira à Lusa que os trabalhadores portugueses são bem-vindos na Galiza, defendendo a importância de uma relação estratégica com Portugal.

«Os trabalhadores portugueses são absolutamente bem-vindos. Nós defendemos que a relação da Galiza com Portugal e as suas gentes deve ser convertida numa relação estratégica», afirmou Quintana, actual vice-presidente da Junta da Galiza.

Para o presidente do Bloco Nacionalista Galego (BNG), existem vários laços que unem Portugal e a Galiza, especialmente a língua, que considerou ser «fundamental».

Num balanço da campanha para as eleições autonómicas que se realizam domingo na Galiza, Anxo Quintana diz-se satisfeito. O líder nacionalista considerou que «a corrente de simpatia com o nacionalismo galego é imparável e prenuncia um grande resultado eleitoral».

«O BNG é a força política em ascensão na Galiza, onde os partidos de âmbito nacional estão a descer ou estagnaram», defendeu.

Anxo Quintana admitiu que nenhum dos partidos concorrentes às eleições de domingo deverá alcançar a maioria absoluta, adiantando que os nacionalistas «vão procurar a formação de uma maioria parlamentar que dê estabilidade ao futuro governo».

Nesse sentido, rejeitou liminarmente qualquer entendimento com o Partido Popular (PP), de Alberto Feijóo, que acusou de «não saber dialogar», mas admitiu uma nova coligação com os socialistas, igual à que sustenta o actual executivo da Galiza.

«Somos duas culturas políticas muito distintas, temos dois projectos políticos distintos e até distantes, mas acho que temos demonstrado capacidade de acordo e de entendimento», afirmou.