As autoridades chinesas suspenderam temporariamente a atividade de uma fábrica da cidade de Dongguan, na província de Cantão, no sul da China, por empregar 196 menores de idade, informou hoje a televisão estatal CCTV.

Os funcionários tinham menos de 16 anos - a idade mínima na China para trabalhar - e alegadamente utilizaram documentos falsos para obterem trabalho na fábrica da empresa Guang Gu, especializada em produtos de eletrónica.

Segundo o jornal local Guangzhou Daily, os adolescentes trabalhavam mais de 11 horas por dias e ganhavam 8,5 yuan (cerca de um euro) à hora.