Katsuya Takahashi, o último membro da seita Verdade Suprema a ser julgado pelos atentados com gás sarin no metro de Tóquio em 1995, foi hoje condenado a prisão perpétua pela sua participação nos ataques.

O tribunal do distrito de Tóquio acedeu ao pedido de prisão perpétua apresentado pelo Ministério Público para Takahashi, de 57 anos, acusado de homicídio e outros crimes devido ao seu papel como condutor durante os atentados, que causaram 13 mortos e 6.000 feridos, dos quais dezenas ficaram em estado quase vegetativo.

Takahashi, que pode ainda recorrer da sentença, declarou-se inocente durante o julgamento e disse que desconhecia que tinha sido utilizado gás sarin no metro da capital nipónica.