O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse ter agido no “melhor interesse” do Reino Unido, numa resposta ao relatório que critica a forma como decidiu entrar na Guerra do Iraque em 2003.

O relatório devia pôr termo às alegações de má-fé, mentiras ou enganos. Quer se concorde ou discorde da minha decisão de uma ação militar contra Saddam Hussein, tomei-a de boa-fé e no que acredito ser o melhor interesse do país”, afirmou Blair num comunicado divulgado em resposta à apresentação do relatório Chilcot.

No comunicado, Blair admite que o documento contém “críticas sérias que exigem respostas sérias” e promete dar essas respostas “hoje à tarde” e “assumir plena responsabilidade por quaisquer erros”.

"Ao mesmo tempo direi por que razão, apesar de tudo, acredito que foi melhor afastar Saddam Hussein e por que razão não acredito que essa seja a causa do terrorismo que vemos hoje", afirmou.

O relatório "Chilcot", uma investigação ao envolvimento do Reino Unido na guerra do Iraque, foi hoje apresentado e revelou que a intervenção britânica não foi um "último recurso" e que o então primeiro-ministro trabalhista, Tony Blair, enviou tropas para o Iraque sem considerar "todas as alternativas pacíficas".