O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, expressou a sua disponibilidade para aumentar a contribuição do país na luta contra as milícias do Estado Islâmico no Médio Oriente, informou a imprensa local.

«Certamente que não descarto fazer o razoavelmente possível para tornar o mundo mais seguro», disse Abbott depois de se reunir, no Dubai, com o príncipe herdeiro dos Emirados Árabes Unidos, o xeique Mohammed bin Zayed al Nahyan.


Abbott comentou que a postura da Austrália, país que faz parte da coligação liderada pelos Estados Unidos que luta contra o Estado Islâmico, está dependente de futuras conversações com o Iraque e os seus aliados sobre o que o seu país «pode fazer para ser útil», reportou a emissora ABC.

Ainda em relação ao terrorismo o Governo da Austrália pediu, esta terça-feira, aos seus cidadãos um elevado grau de cautela ao viajarem para a Indonésia, incluindo a localidade turística de Bali, depois do alerta sobre um potencial ataque terrorista emitido no domingo pelos Estados Unidos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Austrália garante que recebeu informação sobre a possibilidade de terroristas estarem a planear ataques na Indonésia a qualquer momento, informou hoje a agência AAP.

«Devem ter particular cautela nas zonas com um baixo nível de proteção e segurança e evitar lugares que sejam conhecidos como possíveis alvos terroristas», indica a mensagem governamental destinada aos viajantes, emitida na segunda-feira.