Foram libertados cinco reféns que estavam presos às mãos de um grupo terrorista que permanece barricado num centro comercial de Nairobi, no Quénia, depois de matar 39 pessoas.

O número de atacantes está ainda por determinar, mas a polícia garante que matou um dos elementos do grupo armado e deteve outros quatro.

O ataque foi reivindicado pelos islamitas do Al-Shabab, que atua na Somália e está ligado à Al-Qaeda.

A intervenção das tropas quenianas na Somália está na causa deste ataque como fez saber o grupo através do Twitter.

O exército queniano chefia agora as operações que duram já há mais de 14 horas e o presidente do Quénia, numa mensagem televisiva, chamou cobardes aos terroristas e prometeu que vai caçá-los.