O homem que matou três polícias e feriu outros três, no domingo, em Baton Rouge, no Luisiana, Estados Unidos, fez 29 anos nesse dia. E morreu no dia do aniversário.

Gavin Long acabou por ser abatido pelas autoridades, após começar a disparar junto a uma esquadra de polícia e perto de um centro comercial.

O sargento deixou várias mensagens que mostravam a sua revolta pela maneira como os afro-americanos são alegadamente tratados pela polícia norte-americana. Veterano da guerra do Iraque, militar foi condecorado várias vezes. Recebeu, inclusive, a medalha por conduta excelente. Gavin Long tinha mudado o nome, no ano passado, para Cosmo Ausar Setepenra, o seu nome “ancestral”, segundo apurou a AFP. O ex-militar designava-se agora como “mental coach” e nutricionista.

 

 

 

 

 

Numa delas, Gavin Long elogia  Micah Johnson, o homem, também veterano de guerra, que matou cinco polícias em Dallas, há pouco mais de uma semana.

Após este novo tiroteio que roubou a vida a mais três polícias, Barack Obama apelou, de novo, à união do país. "Temos as nossas divisões e elas não são novas", afirmou numa conferência de imprensa.

"E é por isso que é tão importante que todos se foquem agora em palavras e ações que possam unir mais este país"defendeu acrescentando, em seguida, que neste momento "não precisamos de retórica inflamada".

 

Na conta de Gavin Long pode ler-se uma mensagem que pergunta "o que lhe deu o direito a tirar a vida de alguém"