Michael Zehaf-Bibeau, canadiano, com origens no Quebec, 32 anos. Convertido ao Islão. Está identificado o nome do atirador que matou esta quarta-feira um soldado junto ao parlamento de Otava, a capital do Canadá. O suspeito, que acabou por ser abatido, tinha o passaporte apreendido. Era encarado pelas autoridades como um «viajante de alto risco». 



A identidade do homem foi revelada pela CBC News, um órgão de informação canadiano. Os documentos judiciais obtidos pela CBC News mostram, ainda, que Zehaf-Bibeau se declarou culpado de acusações de posse de drogas e roubo. Em 2004, declarou-se culpado pelo primeiro crime e foi condenado a 60 dias de prisão.

Voltou depois, em 2011, a desrespeitar a lei, desta vez na Colômbia britânica, uma das dez províncias do Canadá. Na sequência de um assalto a um banco, em Vancouver, foi acusado de roubo e de ameaças. Mais uma condenação.

Documentos judiciais do Quebec revelam, por outro lado, que Zehaf-Bibeau vivia atualmente em Montreal, mas segundo a CBC News, que foi até à morada indicada, os vizinhos disseram que há anos que não andava por ali, mas recordam-no como um «menino doce», pelo que estão em estado de choque com a notícia.

A Radio-Canada, por sua vez, adianta que a mãe do suspeito, Susan Bibeau, ainda vive em Montreal e trabalha para o governo federal.

Ligações a grupo terrorista

Ao «The Globe and Mail» fontes não identificadas disseram que o homem foi designado como um «viajante de alto risco», por existir a suspeita de ter ligações a um grupo terrorista. Se saísse do país, isso poderia sinalizar grande perigo, daí o passaporte ter sido confiscado.

Questiona-se se poderá haver ligação deste crime com o de há dois dias, em que um muçulmano convertido atropleou dois soldados canadianos, vitimando um mortalmente, perto de Montreal.

O soldado baleado esta quarta-feira, e que acabou por morrer, é Nathan Cirillo, segundo disse uma tia do militar ao mesmo jornal. O soldado fazia parte de um regimento com base em Hamilton, e estava a treinar para se juntar à Agência de Serviços Fronteiriços do Canadá.

Foi abatido quando fazia sentinela no Memorial Nacional da Guerra. O homem armado, que agora se julga ser Michael Zehaf-Bibeau, terá depois roubado um carro e rompido a segurança do parlamento canadiano. O soldado ainda foi socorrido, mas acabou por não resistir aos ferimentos.

Já dentro do edifício governamental, o suspeito terá disparado cerca de 30 tiros, onde terá ficado ferido um outro guarda.

O centro de Otava continua em alerta. O parlamento está cercado, pois a polícia ainda não descartou a hipótese de existir um segundo atirador.

Mais ataques

Um terceiro tiroteio junto ao centro comercial Rideau Center foi reportado pela polícia e por testemunhas, mas não existem feridos a registar.

«Os incidentes ocorreram no Memorial Nacional da Guerra, perto do Rideau Centre e no Parlamento esta manhã», escreveu a polícia de Otava no seu Twitter.  

Por questões de segurança, o departamento militar do Canadá decidiu fechar as suas bases a civis em todo o país. Os cidadãos de Otava também foram alertados para se manterem afastados de telhados e janelas.

O embaixador português em Otava confirma que há portugueses e lusodescendentes que trabalham naqueles edifícios.  Um emigrante português tem uma mercearia perto do local do tiroteio.