O ex-vice-primeiro-ministro de Timor-Leste, Mário Carrascalão, morreu hoje no Hospital Nacional Guido Valadares, em Díli, disse à Lusa um familiar.

Mário Carrascalão, que foi governador durante a ocupação indonésia e vice-primeiro-ministro após a independência, faleceu um dia depois de ser galardoado com o Grande Colar da Ordem de Timor-Leste, a mais alta condecoração do país, entregue pelo chefe de Estado, Taur Matan Ruak.

Indicações preliminares apontam que Mário Carrascalão terá sofrido um ataque cardíaco quando conduzia e viajava sozinho no seu carro privado, na zona do bairro do Farol, em Díli. O carro está ainda no local, tendo subido o passeio e embatido contra um poste, conforme constatou a Lusa.

Desconhece-se se o acidente ocorreu antes ou depois do ataque cardíaco.

Testemunhas relataram à Lusa que transeuntes transportaram Mário Carrascalão para o hospital, onde equipas médicas confirmaram o seu óbito.

"Ainda ontem estivemos todos a jantar em família e ele estava muito bem-disposto, foi galardoado e estávamos a celebrar" disse a Lusa a irmã Ângela Carrascalão.

"Foi uma figura marcante da história recente de timor"

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural português considerou que Mário Carrascalão foi uma “figura marcante" da história recente de Timor-Leste, cujo percurso político é revelador do espirito de reconciliação da sociedade timorense.

"Ele é uma figura marcante da história recente de timor não só pelo percurso político, controverso com certeza, mas que por ironia do destino acabou condecorado pelo atual PR praticamente um dia antes da sua morte", disse Capoulas Santos à Lusa em Díli.

"É um sinal revelador do espirito de reconciliação da sociedade timorense", disse, recordando que Mário Carrascalão, que morreu hoje aos 80 anos, foi "governador indonésio e depois membro do Governo de Timor independente".

"Foi também um técnico ligado á área que tutelo em Portugal e por cuja memória tenho pessoalmente respeito. Em nome do Governo português quero transmitir um sentimento de pesar à sua família", disse.

Capoulas Santos falou à Lusa em Díli onde se encontra em representação de Portugal para a tomada de posse do Presidente eleito, Francisco Guterres Lu-Olo, que ocorre às 00:00 de sábado, hora local.