O republicano Tim Scott tornou-se no primeiro senador afro-americano eleito no sul dos Estados Unidos, desde o século XIX. Tim Scott, de 48 anos, venceu, esta terça-feira, a democrata Joyce Dickerson, na Carolina do Sul, e tornou-se ainda o quinto negro a conquistar uma cadeira do Senado norte-americano. Recorde-se que a eleição do primeiro senador negro nos Estados Unidos data de 1870, quando Hirah Rhodes venceu no estado sul-americano do Mississippi.

É certo que Scott já era senador, desde janeiro de 2013, depois de ter sido nomeado para substituir Jim DeMint que abandonou o cargo. No entanto, esta foi a primeira vez que foi eleito nas urnas.



Trata-se de um feito histórico tanto para o republicano como para a Carolina do Sul, um estado norte-americano conservador, onde teve início, em 1861, a Guerra da Secessão – os estados do sul, com economias baseadas na produção de algodão, eram a favor da escravatura, enquanto os estados do norte eram contra e defendiam a sua abolição.

Mas nem é preciso recuar até ao século XIX para se perceber o simbolismo desta eleição. Basta recordar que durante 48 anos, de 1956 a 2003, a Carolina do Sul foi governada por Strom Thurmon, um político norte-americano que defendia a segregação racial, opondo-se à  igualdade de direitos entre raças.

Agora, em 2014, Tim Scott afirma que esta é a prova de que o estado do sul está diferente.

«Penso que isto diz muito sobre a Carolina do Sul e a evolução que tem ocorrido nos últimos 50 anos. Se quisermos olhar para um estado com o maior progresso na história deste país, no menor espaço de tempo, temos que olhar para a Carolina do Sul. Temos muito para nos sentirmos orgulhosos», declarou Scott.



No entanto, nem tudo parece mudar neste estado norte-americano, que com a vitória de Scott confirma a sua tradição na preferência pelos republicanos. A Carolina do Sul votou num presidente republicano nas últimas sete eleições e todas as sondagens indicavam que os republicanos iriam vencer no escutínio desta terça-feira. Além de Tim Scott, também a republicana Lindsey Graham foi eleita para o Senado pela Carolina do Sul.

De resto, esta terça-feira, os republicanos conquistaram a maioria no Senado dos Estados Unidos, de acordo com as projeções avançadas pelas televisões norte-americanas.

Infligindo um duro golpe aos democratas, os republicanos passam a deter pelo menos 51 dos 100 assentos do Senado, continuando a manter o controlo da Câmara dos Representantes, selando assim o seu domínio sobre o Congresso norte-americano.

EUA: três luso-americanos «vencem» nas eleições