As autoridades norte-americanas classificam de aleatórios os ataques das últimas semanas em Austin, Texas, que são já cinco num mês.

O último ataque aconteceu nesta manhã, numa central de distribuição da Fedex no Texas, depois de um pacote com destino a Austin ter rebentado quando era manuseado por um funcionário, que ficou ferido.

No domingo, duas pessoas ficaram feridas após a explosão de um pacote com explosivos, que estava ligado a um detonador, cujo fio, praticamente invisível, se estendia pela rua.

Para as autoridades norte-americanas, esta descoberta mostra “um nível de sofisticação mais elevado” do que tinham observado antes e demonstra que os ataques são aleatórios, em vez de atacarem alguém em particular. No mesmo sentido, um familiar relatou que uma das vítimas de uma das explosões foi atingida com pregos.

Além da explosão desta manhã numa central de correspondência, registaram-se quatro explosões em bairros suburbanos de Austin, capital do Texas, causando a morte a duas pessoas e quatro feridos.

No ataque de domingo à noite, dois homens, com cerca de 20 anos, foram atingidos quando estavam a caminhar, sofrendo ferimentos graves. Mantêm-se no hospital em situação estável.

Nos ataques anteriores, os explosivos foram deixados dentro de pacotes à porta das casas das vítimas.

A descoberta do detonador na mais recente explosão fez aumentar o medo em Austin.

As autoridades têm insistido nos avisos para que a população não mexa em pacotes desconhecidos e também alertou agora para que as pessoas tenham atenção a quaisquer objetos deixados em locais públicos, em particular com fios visíveis.

Estamos muito preocupados que, com detonadores, uma criança possa estar a caminhar no passeio e toque em algo”, disse Christopher Combs do FBI.

As autoridades estão a investigar uma série de possíveis motivos, incluindo terrorismo doméstico ou crime de ódio. Foi, entretanto, anunciada uma recompensa de 115 mil dólares (93 mil euros) para informação que conduza à detenção do autor dos ataques.

Estamos claramente a lidar com o que acreditamos ser um bombista em série, neste momento”, assumiu o chefe da polícia de Austin, Brian Manley, que apontou semelhanças entre as quatro explosões, mas sem identificar quais para não prejudicar as investigações.

Nos primeiros três ataques, no leste da cidade, as vítimas eram negras ou hispânicas, enquanto no mais recente, no oeste, ambos os feridos são brancos.

Estas diferenças dificultam a identificação de um possível padrão, fazendo aumentar os receios entre os cidadãos.