As autoridades malaias detiveram um jovem de 20 anos, natural do Kosovo, suspeito de extrair dados dos computadores das forças de segurança dos Estados Unidos e dos enviar para o Estado Islâmico (EI), informam esta sexta-feira os ‘media’ locais.

O jovem, detido na quinta-feira durante uma incursão da polícia antiterrorismo, entrou no país asiático em agosto com o pretexto de que iria estudar informática numa universidade privada, refere o jornal New Straits Times.

“As investigações preliminares revelam que o suspeito mantinha comunicações com um dos líderes do Estado Islâmico na Síria com o objetivo de entrar em vários servidores de membros das forças de segurança norte-americanos”, disse o diretor-geral da polícia malaia, Khalid Abu Bakar, num comunicado emitido na noite de quinta-feira.


Também esta quinta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, falaram ao telefone, coincidindo na necessidade de intensificar a pressão militar sobre o EI na Síria.

A Casa Branca informou da conversa telefónica através de um comunicado, indicando que Obama e Erdogan também falaram sobre um aprofundamento da cooperação entre os Estados Unidos da América e a Turquia na luta contra os ‘jihadistas’ e da vontade de “fortalecer” a oposição “moderada” no combate contra o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

O objetivo partilhado por Washington e Ancara – de acordo com a presidência norte-americana – é “criar as condições para uma solução negociada para o conflito, incluindo uma transição política”.