Há um grupo terrorista que mata mais que o Estado Islâmico, segundo o Índice Global de Terrorismo (Global Terrorism Index, GTI), elaborado pelo Instituto para a Economia e Paz (IEP), divulgado na terça-feira.
 
Trata-se do Boko Haram, radicais islâmicos sedeados no norte da Nigéria, e que foi responsável por 6.644 mortes em 2014, traduzidas num aumento de 317% relativamente ao ano anterior.
 
Ou seja, mais 571 mortes que o Estado Islâmico (6.073).
 
Juntos, Boko Haram e Estado Islâmico foram responsáveis por mais de metade das mortes por terrorismo (51%) naquele que foi considerado o ano mais mortal, segundo o relatório do GTI.

E juntos devem continuar a dominar os números, depois de o Boko Haram ter jurado fidelidade ao EI.
 
Em termos globais, registou-se em 2014 um aumento de 80% de mortes por terrorismo quando comparado com 2013. Morreram 32.658 pessoas, nove vezes mais que em 2000, sustenta o mesmo documento.
 
Em termos de países, e apesar do que sucedeu recentemente na Europa, com o avião russo e os ataques de Paris, o Iraque foi o país onde morreram mais pessoas vítimas de terrorismo, concretamente 9.929, um número recorde, consta no GTI.
 
E Bagdade é, deste modo, a cidade mais letal, com 2.454 mortes registadas em 2014.

Com o Iraque, Nigéria, Afeganistão, Paquistão e Síria foram palco de 78% das mortes por terrorismo.