As forças de segurança egípcias mataram “por engano”, pelo menos, 12 turistas de nacionalidade mexicana e egípcia e feriram outras dez pessoas, aos confundirem os veículos em que viajavam com os de terroristas, informou esta segunda-feira o Ministério do Interior.

O incidente ocorreu no domingo, quando a polícia e exército alvejaram os carros durante uma perseguição a 'jihadistas' no oeste do Egito.

Em comunicado, o Ministério do Interior do Egito sustenta que uma patrulha conjunta da polícia e do exército estava a perseguir “elementos terroristas” na região do deserto ocidental, cujo acesso está proibido.

Segundo a BBC, pelo menos oito das vítimas mortais têm nacionalidade mexicana. O ministério dos Negócios Estrangeiros do México confirmou a morte de dois cidadãos mexicanos.

“Até agora, infelizmente, confirmamos a morte de dois nacionais do México neste incidente”, disse em comunicado o Ministério dos Negócios Estrangeiros, indicando que outros cinco mexicanos estavam em condição estável num hospital.

O ministério acrescentou que está em curso a verificação das identidades das vítimas.

O Presidente do México, Enrique Peña Nieto, já condenou o ataque e lamentou a morte das vítimas.
 
"O México condena estes atos contra os nossos cidadãos e exigiu ao Governo de Egipto uma investigação exaustiva do ocorrido", afirmou o Presidente esta noite (madrugada em Lisboa) numa mensagem difundida através da rede social Twitter.