O Ministério Público belga acusou um sexto homem de participação nos atentados de Paris, depois de várias buscas realizadas, quinta-feira, em Bruxelas e no sul do país, mas não deu mais informações sobre o suspeito.
 
“Ontem [quinta-feira], uma pessoa foi detida em Bruxelas para interrogatório. Foi acusado pelo juiz de instrução de atentados terroristas e participação em atividades de grupo terrorista”, adiantou a procuradoria belga, através de comunicado divulgado nesta sexta-feira.
 
Segundo a emissora nacional belga RTBF, o pai e o irmão deste sexto acusado foram detidos em Verviers, cidade onde dois jihadistas foram mortos num tiroteio com a polícia em janeiro, mas acabaram por ser libertados.

Também nesta sexta-feira, por ordem do tribunal, um suspeito chamado Ali Oulkadi e outro não identificado, que foram detidos na terça-feira, vão permanecer um mês sob custódia.

Ali Oulkadi, de 31 anos,  ajudou Salah Abdeslam, um dos autores dos atentados de Paris, a fugir de Bruxelas, no dia seguinte aos atentados, em que  morreram 130 pessoas.
 
O advogado de Oulkadi alega que o seu cliente desconhecia que Abdeslam estaria a ser procurado pelas autoridades.
 
“Ninguém sabia que o Salah era procurado, Ali não sabia”, afirmou Olivier Martins, citado pela agência France Presse, depois de Oulkadi ter sido presente a um juiz. 
 
As autoridades belgas continuam à procura de Salah Abdeslam, que conseguiu escapar de Paris com a ajuda de dois homens que foram buscá-lo a França desde Bruxelas.
 
Estes dois homens estão detidos desde dia 16 e acusados de terrorismo. Tratam-se de Mohammed Amri, de 27 anos, e Hamza Attou, de 20, que foram os primeiros dois acusados pela Bélgica de envolvimento nos atentados de Paris.
 
O último paradeiro conhecido de Salah Abdeslam foi num controlo policial em Cambrai, França, quando viajava num Volkswagen Golf com Amri e Attou, mas o carro não foi mandado parar.

Há também a notícia de que um marroquino de 39 anos, identificado como Lazez Abrimi e que residia em Molenbeek, comuna de Bruxelas com ligações aos principais suspeitos dos ataques, foi acusado, na semana passada, de envolvimento em atividade terrorista depois de a polícia federal belga ter encontrado duas pistolas e vestígios de sangue no seu carro. Trata-se do quinto suspeito acusado e que também terá participado na fuga de Abdeslam.
 
Além de Salah Abdeslam, na terça-feira, a Bélgica emitiu um mandado de detenção internacional por Mohamed Abrini, que foi filmado pelas câmaras de videovigilância com Salah Abdeslam numa estação de serviço em direção a Paris, ao volante de um Renault Clio que seria usado para os ataques.

O "cérebro" dos atentados de Paris morreu numa operação policial em Saint-Denis, a norte de Paris.