O Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita anunciou esta quinta-feira a prisão de 19 suspeitos, dos quais 12 paquistaneses, da autoria dos atentados suicidas perpetrados na segunda-feira no país, incluindo o ataque sem precedentes em Medina.

Num comunicado, o porta-voz do ministério adiantou que as autoridades tinham identificado os responsáveis pelos atentados suicidas em Medina, na segunda-feira.

O terrorismo atacou a Arábia Saudita em três atentados aparentemente coordenados no último dia do Ramadão, o mais importante mês do calendário islâmico.

Apesar de não haver confirmação oficial, terão sido três bombistas suicidas a morrer ao atacarem a sede da segurança da mesquita do profeta em Medina, segunda cidade sagrada do Islão, onde se encontra o túmulo de Maomé.

Horas antes, outro suicida fez-se explodir em Jedá, perto do consulado dos Estados Unidos, causando ferimentos ligeiros em dois seguranças.

Em Qatif, no leste da Arábia, um bombista suicida tentou atacar uma mesquita xiita, mas não provocou vítimas além do próprio.