O México tremeu esta sexta-feira com um terramoto de magnitude 8,2 na escala de Richter, epicentro perto de Chiapas, uma região mais a sul do país e que faz fronteira com a Guatemala, mas que foi sentido na capital. E enquanto a terra tremia o outro fenómeno foi captado e, não fosse a catástrofe - já se contabilizam 58 mortos- deixaria uma imagem mais "luminosa" do momento.

Alguns dos vídeos gravados nas ruas e publicados nas redes sociais capturaram flashes que fazem lembrar auroras boreais [um fenómeno óptico composto de um brilho observado nos céus noturnos nas regiões polares], com os utilizadores a questionarem-se sobre a origem das luzes que se desenharam no céu.

 

 

O fenómeno de espetacularidade deu origem a múltiplas teorias, mas especialistas em sismologia consultados pelo Verne, um site do El País, associaram as luzes à carga energética que é liberada durante um terramoto.

Não são relâmpagos, nem o resultado da explosão de estações elétricas ou da colisão de cabos elétricos, como alguns utilizadores do Twitter tentaram explicar. E muito menos Objetos Voadores Não Identificados, em inglês Unidentified Flying Objects (UFO's).

Este é um "efeito luminoso não quantificável", como o cientista sénior do Instituto Geológico e Mineiro da Espanha, Miguel Ángel Rodríguez lhe chamou. Conhecido como Earthquake Lights (EQL).

Há registo dessas luzes durante séculos, muito antes de haver luz elétrica. Também há evidências de sua presença em qualquer lugar na terra onde ocorra um terremoto", acrescentou o especialista.

A explicação dada pela ciência não é conclusiva, mas quase sempre está associada à carga de energia libertada durante um terramoto.

O terramoto é causado pela rutura de uma falha, após a tensão tectónica que se acumula na zona. O atrito das rochas pode gerar correntes elétricas de superfície pelo fluxo de iões que provoca", reforça Emilio Carreño, diretor de Instituto Geográfico Nacional de Espanha (IGN). A gama de cores que podem ser vistas no céu, de acordo com registos históricos, engloba tons brancos, azuis e violetas, os mesmos que os de as correntes elétricas.

Segundo os especialistas contactados pelo site espanhol, estas luzes têm ainda uma utilidade: são mais um elemento para prever estes desastres. "As luzes de o terramoto não ocorrem apenas durante o movimento da terra, elas também são registadas antes e depois", diz o especialista em sismologia.

A emissão anterior de gases nobres e vapor de água da superfície terrestre é uma das maneiras de prever um terramoto, tal como o é o comportamento anómalo de algumas espécies animais, em particular répteis, "que são capazes de detetar movimentos sísmicos antes dos seres humanos", diz Carreño.

O chefe do IGN acredita que essas luzes no céu podem ser outro sinal precursor dos terramotos, tendo em mente que os estudos os gravam até quatro semanas antes de o terramoto ocorrer. 

Vários vídeos publicados no Twitter também mostraram os cortes de energia que causaram terramoto no país, embora os especialistas digam que esses flashes de luz são aqueles que podem ser vistos no céu a partir de outros pontos geográficos.