Pelo menos 101 pessoas morreram na sequência de deslizamentos de terras e inundações provocados pelas chuvas fortes que atingiram o México, de acordo com o mais recente balanço oficial.

Em declarações aos jornalistas, a partir da cidade turística de Acapulco, uma das regiões mais afetadas, o ministro do Interior mexicano, Miguel Angel Osorio Chong, disse que, além das 101 vítimas mortais, foram dadas como desaparecidas 68 pessoas.

O México sofreu as consequências de uma «tenaz mortífera» criada pelos ciclones tropicais Manuel e Ingrid, na sexta-feira, com o primeiro proveniente do Pacífico e o segundo do Atlântico, numa confluência de graves fenómenos meteorológicos que não se via há cinquenta anos.