A jornalista venezuelana, Shirley Varnagy, disse este sábado que se demitiu do canal de televisão privado de notícias Globovisión porque a estação censurou parte de uma entrevista ao escritor peruano, Mário Vargas Llosa, prémio Nobel da Literatura 2012.

«Não transmitiram a entrevista completa que fiz a Vargas Llosa. Não farei silêncio no meu espaço. Até hoje trabalhei em Globovisión», escreveu na sua conta no Twitter.

Em declarações à imprensa explicou que a parte não transmitida incluía opiniões sobre a política venezuelana e que o último bloco do programa «Shirley» foi submetido a cortes permanentes.

Entretanto, o Senado norte-americano anunciou, na sua página de internet, que vai realizar duas sessões sobre denúncias de alegadas violações dos direitos humanos, durante os protestos que decorrem no país há quase três meses e causaram mais de 40 mortos.

«Avaliando a crise política na Venezuela: Violações dos Direitos Humanos» é o tema de debate cuja primeira sessão foi marcada para 08 de maio pela Comissão de Relações Exteriores. A segunda jornada decorrerá um dia depois, convocada pela subcomissão para o Hemisfério Ocidental.

Segundo a página de internet do senado norte-americano nas sessões estarão presentes, entre outros, a subsecretária de Estado para a América Latina, Roberta Jacobson, o especialista do Carnegie Endowment for International Peace, Moisés Naím, o diretor da divisão para as Américas da Human Rights Watch, José Miguel Vivanco, e o antigo embaixador dos Estados Unidos em Caracas, Patrick Duddy.