Duas britânicas foram atacadas com ácido em Zanzibar, na Tanzânia, por agressores que passavam de mota. A suspeita recai sobre radicais islâmicos.

As duas jovens já regressaram ao Reino Unido, mas podem ficar com marcas para toda a vida.

Kirstie Trup e Katy Gee, ambas com 18 anos, estavam há 15 dias na Tanzânia. Passeavam ao final da tarde, numa zona turística de Zanzibar, quando um dos homens que seguia numa mota atirou-lhes ácido para a cara e para o corpo.

O ataque ocorreu a poucas horas do fim do Ramadão, quando as ruas estavam praticamente desertas.

Segundo a polícia, as queimaduras na pele não são profundas, mas a família das jovens está revoltada.

As jovens são professoras voluntárias do ensino primário e estavam em Zanzibar associadas a uma igreja anglicana e ao serviço de uma organização não governamental.

As autoridades de Zanzibar têm tentado lutar contra a crescente tensão religiosa que tem proliferado na região entre muçulmanos e cristãos.



Este é o primeiro ataque com ácido contra estrangeiros, mas dois líderes cristãos foram atacados da mesma forma já este ano e em novembro foi a vez de um imã de Zanzibar ser hospitalizado com queimaduras graves.