Os manifestantes antigovernamentais bloquearam esta terça-feira o Ministério do Comércio da Tailândia em mais uma ação de protesto que visa a queda do Governo e a suspensão das eleições marcadas para 2 de fevereiro.

Liderados por Buddha Issara, um carismático monge do sul da Tailândia, os manifestantes salientaram que o objetivo é impedir que os funcionários consigam hoje trabalhar naquele Ministério, revelou o diário «Bangkok Post».

Por outro lado, outros grupos de manifestantes também se aproximaram dos edifícios do Departamento de Alfandegas junto ao rio Chao Phraya e ameaçaram tomar de assalto a sede da Polícia Nacional, junto a um dos pontos dos protestos.

Milhares de pessoas ocupam desde segunda-feira vários cruzamentos de estradas principais de Banguecoque no âmbito da campanha «Shut Down Bangkok», que procura paralisar a capital tailandesa como forma de pressão para a queda do Governo.

A primeira-ministra Yingluck Shinawatra cancelou a reunião do Governo prevista para esta terça-feira e recusa demitir-se ou cancelar as eleições, sublinhando serem estas a melhor via para solucionar a crise política do país através da manifestação da vontade popular.

Yingluck Shinawatra está, contudo, disponível para dialogar com os diversos atores políticos e sociais a proposta da Comissão Eleitoral de adiar alguns meses as eleições.

Já Suthep Taughsuban, líder dos protestos e antigo vice-primeiro-ministro pelo Partido Democrata, já alertou que não abandona as ruas de Banguecoque e os protestos enquanto não forem cumpridas as suas exigências, que passam pela criação de um «conselho popular» que realize algumas reformas ao sistema político antes da realização de eleições, que preconiza para daqui a 12 ou 14 meses.