Grupos antigovernamentais iniciaram hoje uma manifestação que durará até domingo, dia em que estão previstas as eleições gerais, com o objetivo de cancelar os sufrágios e provocar a queda do Governo interino.

Suthep Thaugsuban, líder dos protestos e vice-primeiro-ministro do Partido Democrata entre 2008 e 2011, apelou a todas as pessoas que estão contra a realização das eleições para que se unam à sua «cruzada» pelas ruas de Banguecoque ou deixem os seus carros estacionados no meio da estrada para «bloquear completamente» a capital.

Suthep também anunciou que os manifestantes não vão bloquear as assembleias de voto, como fizeram no passado domingo durante a votação antecipada obrigando ao seu encerramento antes da hora prevista.

A mobilização antigovernamental, que arrancou em outubro e que em finais de novembro ganhou força com a ocupação de ministérios, pretende que seja formada uma comissão popular, não eleita, para reformar o sistema político e retirar a corrupção da administração, antes de nova ida às urnas.

Em dezembro, a primeira-ministra interina da Tailândia, Yingluck Shinawatra, dissolveu o parlamento e convocou eleições para 2 de fevereiro.

Yingluck é irmã de Thaksin Shinawatra, antigo primeiro-ministro que foi deposto no golpe militar de 2006 e que vive no Dubai para evitar cumprir uma pena de dois anos de prisão por corrupção.

A Tailândia assiste, desde então, a frequentes manifestações e protestos de rua que pretendem paralisar o Governo atual.